[OT] Colirio

O que a camisa retrô da seleção tem a ver com o filme, eu confesso que não entendi. Mas só sei que, hã, tipo assim, quem se importa com isso? A mulher já é gata. Com uma camisa dessas, aí é covardia… Saiu no Terra.

Luana Piovani comemora encerramento de filme em SP

Com uma camisa retro da seleção brasileira, Luana Piovani distribuiu sorrisos na festa em comemoração ao encerramento do filme Família Vende Tudo, estrelada por ela e Caco Ciocler.

Com poucos convidados, a festa era voltada à diversão do elenco. Sem Dado, Luana dançou com o pequeno Raphael Rodrigues, que faz parte do longa, e agradeceu o diretor Alain Fresnot pelo papel.

Times de faculdade…

Aproveito alguns e-mails e posts que chegaram para escrever sobre times profissionais de futebol ligados a universidades, muito frequentes na América Latina.

No Peru, o Universitário dá as cartas há um bom tempo. O Joqo Vega manda o link do blog Crema y Guinda, onde pode-se ver a história das camisas do Universitário do Peru – aliás, o último post fala da indignação em relação ao patrocinador principal, que deixou-a “manchada con el horrible color Azul (en cualquiera de sus tonalidades).”

No Equador, a LDU também é protagonista. O Guilherme Feliciano, colaborador assíduo do site que está morando lá, manda fotos de algumas camisas dele. Talvez seja um pouco doloroso aos torcedores do Flu, mas o relato das comemorações do título vale a leitura:

Pude acompanhar a evoluçao do time desde o ano passado quando aqui cheguei, e nesta Libertadores só nao estive no estádio nas duas primeiras partidas, quando estava de férias no Brasil.
Nas demais partidas, estive presente e vibrei muito com o título. O povo equatoriano já merecia uma conquista como essa no futebol.
A Liga está atualmente com o mesmo espírito empreendedor do Atlético Paranaense no início dos anos 2000. A música moderna que está neste vídeo (http://www.youtube.com/watch?v=KYsYtGr-9Fk) é sempre exibida com um vídeo com lances de jogos no telao do estádio Casablanca, antes do início dos jogos.
Há um canto muito empolgante também, sempre entoado nos jogos e que empurrou o time nos momentos mais difíceis (http://www.youtube.com/watch?v=VpsLM4agbMA).

“Yo te daré
Te daré, Liga hermosa
Te daré una cosa:
Una cosa que empieza con “L”, con “I”, con “G”, con “A”, Liga campeón!
Yo te daré
Te daré, Liga hermosa
Te daré una cosa:
Una cosa que empieza con “C”: Campeón!”

No Chile, na falta de uma tem três: a Universidad de Chile, a Universidad Católica e a Universidad de Concepción. Na Venezuela tem a Universidad Los Andes (ULA). No México, tem a UANL (Tigres), a UAG (Tecos) e a UNAM (Pumas).

Já imaginaram alguma coisa do tipo “eu torço para a USP F.C”, ou “hoje tem jogo da UFRJ na Globo”? No Brasil, que eu me lembre, o único time profissional ligado a uma instituição de ensino é a Ulbra. Se depender dos times das Faculdades mineiras, os uniformes seriam bem doidos (vejam a página de times com uniformes fornecidos pela Kickball).

Bem que a minha ESPM podia se mexer e profissionalizar um time…

Nova camisa da Seleção da França

Uma negociação tensa de renovação de contrato. Um contrato com um novo fornecedor de material esportivo. Uma camisa muito diferente feita pelo fornecedor antigo, às vésperas do fim do contrato.

Essa história vocês já devem ter ouvido recentemente, mas dessa vez é com a seleção da França – a adidas lançou uma camisa nova para a disputa das Eliminatórias para a Copa de 2010 – achado do viniciusvasques no Fórum da Comunidade. (o elete até achou a camisa à venda no eBay de Cingapura).

Passando os olhos nesta página, que conta a história do uniforme dos Bleus, não vi nada parecido.

Os dois primeiros jogos da França nas Eliminatórias são contra a Áustria (fora) e contra a Sérvia (em casa). Se perder os dois, aí a gente vê se a novela vai seguir o mesmo rumo que o da camisa do Flamengo…

(detalhe: na Comunidade, comentaram que a camisa era “centenária”. Na Wikipedia, consta que a Federação foi fundada em 1919. É isso mesmo?)

Flamengo fará parceria com o Google

Saiu no Globo Esporte que “o Flamengo anunciou nesta terça-feira que fará uma parceria inédita com o Google, empresa americana da área de internet. Na sexta-feira, em uma coletiva de imprensa na sede do clube, o departamento de marketing rubro-negro vai revelar os detalhes da parceria.“. Se for pra patrocinar a camisa, o Fla estará bem servido – apesar que é melhor torcer pra não colocarem o logo com as letras coloridas, senão a camisa vai ficar definitivamente perdida. Mas pra mim isso tá com cara de “a partir de agora, teremos AdSense no site oficial”… Dica do Kolorado Sãopaulo.

Roupeiro distraído?

Esse e-mail é da semana passada, mas os cacos que o Lucas achou não perderam o timing:

Tava assistindo aqui o jogo do meu Botafogo quando notei que, por falha do roupeiro talvez, Carlos Alberto jogou com o uniforme do ano passado enquanto o resto do time tava usando o atual.

Outra coisa interessante foi a falha da Penalty no jogo da Lusa. Diogo vestia uma camisa comemorativa com o número 100 nas costas, em homenagem a quantidade de partidas jogando pela Portuguesa, mas seu short contia o número 7.

Faz lembrar a história do roupeiro do Blackburn

Sobre camisas-relâmpago

O Paulo propõe um post sobre a camisa-relâmpago do Flamengo, usada em apenas dois jogos (duas derrotas) e questionando se alguma outra camisa teve vida tão curta.

Já houve vários casos recentes de camisas que duraram menos tempo do que o previsto, como a camisa do Sport em 1999.

E puxando de cabeça, me lembro de dois casos de uniformes que duraram menos tempo ainda: o Palmeiras jogou a final do Campeonato Paulista de 1954 – perdeu para o Corinthians, que levou o título de Campeão do Quarto Centenário – com camisas azuis, logo depois aposentadas. E o Inter jogou um Gre-Nal inteiro de vermelho, nos anos 70, inspirado no Bayern de Munique. Perdeu e também aposentou a invenção.

Quanto à camisa do Flamengo, cabe ainda uma reflexão. Será que, se a Nike tivesse feito um evento de lançamento decente, evocando a origem do desenho (a camisa da década de 70) e a história dos craques que a vestiram (Rondinelli, o Deus da Raça), a camisa não teria resistido às duas derrotas e às brincadeiras das outras torcidas, que a batizaram de “camisa Freddy Krueger”?

Como curiosidade, a camisa de 1995 (a do centenário), cadastrada na Comunidade do site, era muito parecida, e não houve metade do buxixo que aconteceu em torno desta camisa. Outros tempos…

Camisa do Flamengo - 1995

Camisa de Zanzibar (hã?)

A pedidos, discorro sobre a exuberante Zanzibar.

Tá, Zanzibar é bonitinha, vá.
Tá, Zanzibar é bonitinha, vá.

São duas ilhotas africanas na costa da Tanzânia que, por motivos ignorados, não se acham pertencentes à Tanzânia. Seu mais ilustre filho é o cantor Farrokh Bommi Bulsara, também conhecido como Freddie Mercury. Resolveram jogar futebol por própria conta – são filiados à CAF, mas não disputam seus torneios oficiais, sendo afiliada á NF-Board e tomando parte em torneios alternativos como a 2006 FIFI Wild Cup.

Zanzibar na VIVA Cup de 2006
Zanzibar na VIVA Cup de 2006

Vendo a camisa sem graça da edição de 2006, a Hummel, que de boba não tem nada (já fornece material esportivo para a seleção do Tibete, que também disputa a VIVA Cup) resolveu criar uma camisa pro Zanzibar.

É uma camisa meio complicadinha pra usar na balada, mas eu achei bem legal. Tá à venda
na Subside Sports por 39 libras.

Camisas da Portuguesa

Com a ajuda do pessoal da comunidade da Portuguesa no Orkut, descobri a página de uniformes do site Alma Lusa, com um belo histórico das camisas que a Lusa usou nos últimos anos.

Além da camisa xadrez usada como terceiro uniforme em 1996, que eu estava procurando há um tempão – salvo engano, foi o primeiro time brasileiro a usar um uniforme xadrez, antes das camisas que o CRB e o Paysandu estão usando nesta temporada – achei esta camisa no estilo Flamengo, com duas faixas bem largas, que acho que a Lusa usou lá pra 1984.

Camisa da Portuguesa - xadrez - 1996
Camisa da Portuguesa - xadrez - 1996
Camisa da Portuguesa - adidas - 1984
Camisa da Portuguesa - adidas - 1984

Camisa do Tecos (quem?)

Saiu no Todo Sobre Camisetas a notícia do lançamento da camisa do Tecos, que é o apelido do time da Universidad Autónoma de Guadalajara, do México – camisa fabricada por uma marca local chamada Pirma. Achei que o arranjo que eles deram ao padrão xadrez ficou bem interessante.

O Tecos é um time sem tanto destaque no cenário do futebol mexicano. Fundado em 1971 como um típico time de faculdade, não têm muitos títulos: campeões locais em 1993 e 1994, liga dos Campeões da CONCACAF em 1978 e Recopa da CONCACAF em 1995. O símbolo do time é a coruja (“tecolote” em nahuatl), e o xadrez eu não faço a mínima idéia de onde tiraram. Não sei se serve de parâmetro, mas quando eu fui pra Cidade do México, há alguns anos atrás, a camisa deles não aparecia nas lojas dos shoppings como a Martí.

Enfim, após esta breve introdução, segue o que eles têm feito nos últimos anos com sua camisa. Não me lembro de ter visto tanta mudança no uniforme de um time: acho que só o Criciuma é capaz de rivalizar com eles.