Camisa do Luch-Energya

A camisa em si não é nada demais, aliás a camisa não tem absolutamente nada demais. A peculiaridade está no time que a veste: o Luch-Energya fica em Vladivostok (sim, lembram do War?). E pra quem se lembra do tabuleiro do jogo, deve se recordar que Vladivostok fica longe pra burro do resto da Europa. Pois bem: dia desses, num joguinho da Série B russa, o Baltika Kalinigrad teve que voar 15 mil quilômetros pra enfrentar os Tigres de Vladivostok (e perdeu por 2×1). Pelas contas do pessoal da comunidade Futebol Alternativo, que fizeram um posto sobre o tema, é quase o dobra da distância entre Oiapoque e Chui. Enfim, quem tiver uma camisas deles é guerreiro…

P.S.: não esqueçam: neste sábado que vai rolar o II Encontro de Colecionadores do Museu do Futebol!

Encontro no Museu do Futebol – faltam 10 dias!

Galera: contagem regressiva para o II Encontro de Colecionadores no Museu do Futebol!

Relembrando: será no outro sábado, 4 de dezembro – véspera da última rodada do Brasileirão; uma semana após a primeira fase da FUVEST e o fim das aulas; 3 semanas antes do Natal.

Nesta edição teremos novidades: a partir das 10h, vai rolar um papo (tema “O Estilo Entra Em Campo“), com o nosso habitué Antônio Bordallo que, entre outros temas, vai apresentar o case da criação da camisa da Polônia, que ganhou o prêmio no concurso do FSC; a Patricia Sant’Anna, doutora em História da Arte, que vai falar da evolução dos estilos dos uniformes, e o Daniel Schmid, gerente de futebol da adidas do Brasil, que vai contar como é o desenvolvimento dos produtos da firma dele (conto com a ajuda de vocês para apertá-lo pra saber quais serão os próximos times patrocinados pela marca – aliás, acho que vão rolar uns brindes da adidas a serem sorteados, depois eu confirmo).

Depois da palestra – até meio-dia – começam as atividades nos varais (vamos fazer varais temáticos, com camisas de times nacionais, internacionais, de várzea, de colégio…) e nas mesas…enfim, esta edição tem tudo pra bater a fantástica marca de 500 espectadores/colecionadores/interessados/amantes da última edição.

Mais detalhes na página especial do evento (acesse aqui).

Nova camisa do Santos

Pra não deixar passar: a Umbro foi esperta e, a exemplo de alguns times alemães, lançou uma camisa perto da época do Natal. O tema da camisa é meio pitoresco: é uma cruza de camisa comemorativa aos títulos de campeão paulista e campeão da Copa do Brasil com camisa 3. E a danada ficou realmente bonita, aparentemente vai vender pra burro… Dica do Raul Coelho.

Camisa 2 do AGF Aarhus

A camisa não é lá essas coisas – noto uma certa empolgação da Hummel de vez em quando, algo no estilo “eu sou fashion e posso fazer qualquer coisa – mas a produção do cartaz de filme (inspirado no cartaz do “Cães de Aluguel”) para o lançamento ficou joia. Só não entendi o título – a tradução do título do filme é “Orgulho em ter”, o que não me diz muita coisa – algum falante do idioma pode me ajudar? Saiu na página da Hummel no Facebook

"Queremos de regreso la camiseta roja de la Selección Colombia"

No meio de todo burburinho em torno da nova camisa do Chile (reconheço que a combinação ficou perfeita), outra camisa vermelha tem sido alvo de debates: a que a seleção colombiana não tem usado mais (pelas minhas contas, desde a Copa de 90), e que deixou colombianos dela saudosos, a ponto de criarem uma página no Facebook pedindo seu retorno (aliás, o artigo do Todo Sobre Camisetas sobre a história do uniforme da Colômbia explica essa certa esquizofrenia: a camisa era azul-clara, depois azul-escura, depois laranja (a da ilustração abaixo, da Le Coq, é fabulosa), e depois amarela. Fato é que, em um continente com 3 países que levam azul, vermelho e amarelo na camisa, e 3 países de camisas amarelas, um uniforme tricolor com camisas vermelhas com detalhes tricolores, calções azuis e meias amarelas permitiria à Colômbia uma certa identidade (aqui no continente, claro está, já que este mesmo conjunto de cores também pertence à Romênia, à Moldávia e à…Espanha)

Camisa do Cerrito, da Penalty

Desde uns 3 anos atrás a Penalty retornou com força ao fornecimento de uniformes para times profissionais brasileiros, fazendo algumas camisetas bem interessantes. Mas dessa vez o problema está nas camisas de alguns times de fora do País, que via-de-regra eram camisas muito boas. Essa do Cerrito, do Uruguai (deste colecionador uruguaio), por exemplo: gola trapezoidal (!), logo vermelho em fundo azul, corte raglan que deixou a parte superior das costas tão estreitas que o patrocinador não cabe…

Nova camisa da Espanha

Apenas a titulo de registro, posto que fotos da camisa vazaram há algum tempo e o lançamento oficial da campanha foi ontem: a nova camisa da Espanha ficou bonita e vestiria muito bem o Real Salt Lake, o Madureira, a seleção da Romênia, da Colômbia ou da Venezuela, mas nunca a seleção espanhola. O azul dos detalhes mina a força do vermelho – deveria estar apenas no calção. A Espanha está novamente com um uniforme abaixo de sua altura e tradição. Pena.