The Village Soccer Shop

O Minhas Camisas já mostrou que os Estados Unidos abraçaram o futebol, digo , o nosso futebol. E que Nova Iorque é um destino comum aos brasileiros. E que atire a primeira pedra nunca quis uma camisa da MLS da Liga Mexicana ou ainda aquele tamanho que não achamos por aqui. Pois bem, nosso camiseiro Dario Weiss nos indicou este bastião do soccer nos arredores da Big Apple, a Village Soccer Shop. Localizada em Tarrytown, uma cidade igual as que vemos nos filmes, a loja é o sonho de Danny, um americano nascido em Londres, mas que nunca viveu lá. E cuja família tem raízes gregas e britânicas. Perguntado se é por isso que ele abriu um negócio pouco ortodoxo aos padrões americanos, ele disse que não! Que competições como a Liga dos Campeões ou mesmo equipes como Manchester United, Barcelona e Real Madrid têm chamado a atenção por lá e feito da loja um bom investimento. Em termos de produto, é possível achar camisas das principais seleções, times europeus e uma gama enorme de moda casual. Dario ainda nos contou que há itens como camisetas da Umbro em tamanhos P e M mas que segundo Danny, após a venda da marca pela Nike, ela deixou de atuar no país. Preços são um atrativo! Uma camisa da Seleção Brasileira sai mais em conta lá do que aqui. Dario adquiriu duas camisas retro da Nike( Barça e Manchester United) , a atual camisa reserva do United além de uma flâmula do Cosmos. Esta festa custou US$ 165,00. Em outras lojas em Manhattan só a camisa do Manchester United estava saindo por US$ 90,00.  A Village Soccer Shop é passeio que ultrapassa o safári, pois segundo Dario Tarrytown é um passeio que vale a pena.  A loja entrega no Brasil, mas por conta de extravios Danny pede que seja feito contato por email para combinar o método de envio. Para saber mais basta visitar o site clicando aqui.

Camisa do Atlético Acreano (Oi?!)

Acho que só no Brasil você é capaz de descobrir times profissionais todos os dias. Isso porque Gessé conseguiu marcar o gol que Pelé não fez. A façanha rendeu ao atleta campanha no GE de São Paulo para o Prêmio Puskás e uma placa. A camisa da equipe é fornecida pela Penalty e consegue não vir atolada de patrocínios. O template lembra os já usados pelo Gimnasia Esgrima com tom de azul em um quê de Olaria do Rio de Janeiro.

Fotos: Globo.com

Camisas do Grêmio para 2014

Conforme alguns habitués comentaram, faltou um pouco de branco na camisa listrada, particularmente no Banrisul (aliás, bataa um pouco de branco no Banrisul e o resto se resolveria, já que o desenho, inspirado na camisa de 1928, seria preservado). Na camisa branca, não entendi qual foi a dos grafismos (segundo a Topper, são “grafismos étnicos dos tradicionais Pampas gaúchos”), mas achei que o resultado ficou bem legal. Imagens do blog da Topper, dica do Chico.

Camisas do Cruzeiro para 2014

Se vale os R$ 229,90 com o patch, e R$ 199,90 sem o patch, eu não sei. Mas que a danada ficou bonita, ficou, particularmente a de goleiro à la Raul Plassmann ficou fantástica (claro, tirando o BMG e o patch horroroso da CBF). Saiu no Super Esportes, dica do LF Bernardelli.

adidas lança camisa II do Fluminense

Diz o release da adidas: “adidas e Fluminense revelam hoje a segunda camisa do uniforme para a temporada 2014. A peça, que se mantém predominantemente branca, terá duas listras verticais em verde e grená. A camisa relembra uma marca tradicional do Clube, *Máquina Tricolor*, que remete aos grandes esquadrões dos anos 1970 e 1980. A novidade fica por conta também dos meiões, que seguem o padrão da camisa e também terão as duas faixas verticais. Já o short continua na cor grená, seguindo a tradição do segundo uniforme do clube. “A Máquina Tricolor talvez seja o maior símbolo de qualidade e tradição criado pelos torcedores do Fluminense. É uma honra podermos homenagear essas passagens históricas e, de alguma forma, trazê-las de volta nessa nova camisa”, ressalta Luiz Gaspar, gerente de marketing de clubes da adidas do Brasil. [image: Imagem inline 4] Para Lucas Sodré, Coordenador de Projetos e Produtos do Fluminense, este conceito homenageia os verdadeiros protagonistas da História Tricolor. “Em cada edição da ‘Máquina’, assim como em cada partida e em cada conquista do Fluminense, eles estão lá. Eles são a força por trás de tudo. A nossa verdadeira ‘Máquina’ é a nossa torcida. O lançamento, com o mosaico formado pelos torcedores para revelar partes da camisa, foi para simbolizar este espírito de que, juntos, o torcedor e o time fazem um Fluminense mais forte”. O modelo conta com a tecnologia *ClimaCool® da adidas*, que considera como e onde o corpo produz mais calor e suor, e coloca tecidos específicos nessas áreas para melhorar a ventilação do corpo e permitir que o atleta permaneça com a temperatura ideal do seu corpo. Os novos uniformes do Fluminense estarão à venda a partir do dia 24 de abril nas lojas adidas, lojas oficiais do Fluminense e lojas de varejo esportivo. As camisas com tecnologia Climacool custarão a partir R$ 219,90.”

Minha opinião: ficou boa, mas poderia ficar melhor com uma gola pólo, e calção branco (o calção grená vai deixar o uniforme com, hã, cara de uniforme alemão dos anos 70). No mais, tá joia.

Singela homenagem ao Brasília

Após devolver a derrota por 2 a 1 sofrida em Belém, no tempo normal, o Brasília, diante de sua torcida no Mané Garrincha, superou o Paysandu nos pênaltis e se tornou o primeiro campeão da Copa Verde, torneio criado neste ano.Salvo engano foi o primeiro título da Pirma em terras brasilieiras, com uma camisa bastante simples, e que quase me enganou, fazendo com que eu achasse que eles ainda jogavam de adidas. Uma dúvida off-tipoic: alguém tem público e renda do jogo? Fotos do Yahoo Esporte Interativo e do perfil do Brasília no Facebook.

Singela (e triste) homenagem a Luciano do Valle

Eu sempre o achei um baita narrador (apesar de achar que ele tinha uns momentos à la Milton Neves nas suas narrações) e um senhor empreendedor. Mas para explicar os sentimentos sobre a passagem de Luciano do Valle neste sábado de forma mais efetiva, eu proponho um exercício.

Você, amante dos esportes, pense nas inúmeras fontes de informação que você tem agora para acompanhar o panorama esportivo. Imaginou? Agora tire a ESPN – lá se vai o esporte norte-americano. Tire a SporTV – lá se foram vôlei e basquete. Tire tudo quanto for canal esportivo à cabo – tire a TV a cabo. Tire os sites esportivos, Facebook, Twitter – tire a internet. Tire a relativa quantidade de publicações esportivas existentes.

Tirou tudo? Feche os olhos: você está nos anos 80. E está sedento por esporte.

E aí aparece um sujeito que coloca 10, 11 horas seguidas de esporte na grade da TV Bandeirantes, todo domingo, seja transmitindo esportes consagrados, seja promovendo esportes mais pitorescos, seja criando eventos. Não que eu assistisse a todos os esportes, e não que eu assistisse o Show do Esporte todo domingo. Mas era bom saber que na dúvida era só deixar no 13 que alguma coisa interessante, ou menos desinteressante, ia passar. E o finalzinho da tarde, começo da noite, dava uma certa tristeza (apesar da tranquilidade de saber que ainda havia os Gols do Fantástico e o Esporte Espetacular logo em seguida) ao rever o domingo esportivo e ver que ele estava acabando.

Enfim, por este porto seguro emocional que a Bandeirantes se transformou aos domingos, eu reverencio a figura do Bolacha, e torço para que mais dele surjam – o belo texto do Erich Beting em seu blog dá a dimensão do papel que ele teve no esporte brasileiro.

Ah, e sobre as camisas, achei pouca coisa sobre as camisas da Seleção de Seniors, depois Masters. A camisa das edições da Copa Pelé de 87 e 89 são extremamente emblemáticas, representam com perfeição os uniformes brasileiros dos anos 80. Em 90 e 91 o Braisl jogou de adidas (camisas lindas, diga-se de passagem) e depois achei algumas camisas da Finta que já não tinham muito a ver com o, hã, espírito “master”. Mas são peças notáveis em qualquer coleção. Alguém tem mais fotos, ou mesmo alguma camisa sobre a qual quer contar sua história?

Camisa para matar os Rubro-negros do coração

A dica do toxicaseducao que saiu no Globo Esporte.com é com certeza a vontade materializada de todo torcedor do Flamengo ao saber que a Adidas estava de volta. A marca das três listras está lançando em quantidade limitada a camisa que reproduz o manto do mágico time dos anos 80. O curioso é o fato da peça estar a venda apenas no Espaço Rubro Negro, segundo o FB da Loja. Vale lembrar que o Flamengo acaba de entrar no catálogo internacional da Adidas e por esta razão deveríamos ver a camisa em todo canto não é mesmo?

Buscando a referência achei que podia ser 83 ou 84 como a imagem abaixo mas a reprodução está mais mais para 87 sem Lubrax.

Camisa III do Tigre da Argentina

Quando você acha que as equipes criativas já exauriram sua cota de ideias esdrúxulas contando com o bom senso dos dirigentes em não aprova-las surge a nova camisa III do Tigre da Argentina para nos surpreender.  Para quem não se lembra do Club Atletico Tigre, ele foi aquele time que resolveu não voltar para decidir a Sul Americana contra o São Paulo.

Fotos: Divulgação

Novas camisas do Atlético PR feitas pela Umbro

Dica do gigoCAP as novas camisas do Furacão mantém a linha Taylored by Umbro e para celebrar os 90 anos do clube, os dois modelos carregam uma etiqueta aplicada na barra com a seguinte inscrição: “FURACÃO – 90 anos em 4 linhas centenárias”, em referência aos 100 anos do Estádio Joaquim Américo.  Gostei da arejada que o estreitamento das linhas e o novo tom do vermelho deu a camisa titular. A mesma sensação tive com o ar retro da camisa reserva por conta do escudo do clube, logo da Umbro, gola polo e até o tom sobre tom branco da malha. O ponto negativo das criações fica pelas aplicações da Caixa que estão com uma cara de silk de última hora que não deveria.

Fotos: Divulgação